Resenha: Sombra E Ossos - Leigh Bardugo

Título: Sombra E Ossos
Autor (a): Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
Páginas: 288
Alina Starkov nunca esperou muito da vida. Órfã de guerra, ela tem uma única certeza: o apoio de seu melhor amigo, Maly, e sua inconveniente paixão por ele. Cartógrafa de seu regimento militar, em uma das expedições que precisa fazer à Dobra das Sombras – uma faixa anômala de escuridão repleta dos temíveis predadores volcras –, Alina vê Maly ser atacado pelos monstros e ficar brutalmente ferido. Seu instinto a leva a protegê-lo, quando inesperadamente ela vê revelado um poder latente que nunca suspeitou ter.
A partir disso, é arrancada de seu mundo conhecido e levada da corte real para ser treinada como um dos Grishas, a elite mágica liderada pelo misterioso Darkling. Com o extraordinário poder de Alina em seu arsenal, ele acredita que poderá finalmente destruir a Dobra das Sombras.
Agora, ela terá de dominar e aprimorar seu dom especial e de algum modo adaptar-se à sua nova vida sem Maly. Mas nesse extravagante mundo nada é o que parece. As sombrias ameaças ao reino crescem cada vez mais, assim como a atração de Alina pelo Darkling, e ela acabará descobrindo um segredo que poderá dividir seu coração – e seu mundo – em dois. E isso pode determinar sua ruína ou seu triunfo.
Alina Starkov é só mais uma órfã de guerra que teve a sorte de ficar aos cuidados de um Duque generoso. Ela e seu melhor amigo, Maly, passam seus dias estudando, trabalhando e fazendo travessuras. Porém, em seu país que só conhece a guerra, as pessoas não vivem muito tempo sem entrar para o exército e esse é o destino de Alina e Maly. Ela uma aprendiz de cartografia do Primeiro Exército, ele um dos melhores rastreadores que já se viu.

Entretanto, o mundo em que Alina vive não é comum. Entre os seres humanos “normais” vivem os Grisha, pessoas que se diferenciam por terem poderes mágicos como, por exemplo, ter controle sobre o corpo de outra pessoa, controlar os elementos etc. Os Grisha fazem parte do Segundo Exército e são vitais na guerra devido a suas habilidades. 

Em meio a isso tudo, Alina só se preocupava por ser só mais um garota normal e sem graça e sem chances de atrair a atenção de Maly. Até que um dia quando seu regimento vai atravessar a Dobra das Sombras (um lugar em que a luz do sol não chega e só há sombras e os temidos volcras) e é atacados por volcras. Maly e Alina estão prestes a morrer quando um estranho poder surge dela e salva a todos. Alina descobre-se uma Grisha e agora precisa ser tratada como tal e treinada, o que vai mudar radicalmente sua vida.

Sabe quando todo mundo sempre fala bem de uma série e você fica “hmm, eu provavelmente deveria ler”, mas nunca lê? Então. Quando li a resenha que a Mareska fez dos livros dizendo que a Trilogia Grisha era o ápice da dor e sofrimento (fala sério, eu assisto Doctor Who e tenho como personagem favorito da vida Richard Gansey, eu AMO dor e sofrimento), e comparando a trilogia com Feita de Fumaça e Osso (outros livros que amo e vocês DEVERIAM LER) me convenci, então botei fim a procrastinação e fui ler Sombra e Ossos.

Bom, vamos começar com os problemas que enfrentei durante a leitura. Mesmo que os comentários fossem ótimos, sempre vinham com a ressalva de “o primeiro livro é lento, não desista no começo, é muita informação, mas vale a pena”. Posso atestar que é tudo verdade. A autora nos mostra todo um universo cheio de peculiaridades e detalhes e. é. muita. informação. pra. absorver. E o pior é que ela simplesmente vai jogando tudo, sem dar mais pormenores, como se nós já fossemos tão íntimos daquele mundo quanto Alina. Só que não, né. Então no começo a história é sim lenta, confusa e até certo ponto maçante. A leitura demora a fluir, mas não a envolver. 

Eu tentando entender todas as denominações Grisha. "Corporalki"? "Oprichniki"? WAT

O que me fez perceber que Leigh Bardugo é uma ótima escritora e que eu ia amar aquela história era que mesmo com o problema que citei eu não conseguia parar de ler e quando precisa parar ficava me perguntando o que acontecia com Alina, o Darkling e Maly nas próxima páginas. Eu não entendia as divisões de categorias dos Grisha, mas me interessei imensamente por eles, eu não entendia a situação política que o país da Alina estava vivendo e porquê, mas eu queria saber como ela ser uma Grisha fodona iria ajudar tudo a melhorar. 

Falando em Alina, ela é aquela personagem legal, que tem seus problemas “mundanos” que passam a parecer pequenos quando comparados aos seus problemas de “aprendiz Grisha”. O que realmente me fez amá-la e gostar da história ser contada sobre seu ponto de vista foram os insights (?) que ela tinha em pensamento ou, melhor dizendo, as tiradas e observações afiadas e astutas que ela tinha sobre as pessoas, situações etc. 

Quando a história começou a ficar jhdfdjhfjd e eu sabia que a treta tava vindo. YESSS
Maly aparece muito pouco para o meu gosto, então, apesar de saber que é ele incrível, inteligente, fofo, faria tudo pela Alina (mesmo não parecendo), levemente trouxa, ainda não decidi se amo ele incondicionalmente. Só sei que sofreria muito se ele morresse, então acho que é meio caminho andando, right?

Vou me abster de falar sobre o Darkling senão vai rolar muito capslock e como já xinguei muito no Twitter não preciso fazer isso aqui (darkling é a pessoa que comanda os Grisha, equivalente o Rei para as pessoas “normais”, mas ele ainda é subordinado ao Rei) Porém, sabe quando você gosta instantaneamente de um personagem? Quando ele tem carisma e algo sombrio e você ama os diálogos dele? Mas você sabe que tem algo errado e aí...............


Quando a treta se instalou e eu achei que nem eu e a Alina íamos terminar o livro vivas
Enfim, Sombra e Ossos é um prelúdio de toda a dor e sofrimento que me foi prometido com essa trilogia. Eu posso sentir a dor chegando e vocês? A história engata do meio pro final e a reta final!!!111 Muitos gritos desesperados, vontade de entrar no livro e dar na cara de c e r t a s pessoas e salvar outras. A autora criou um universo maravilhoso, muito cativante, cheio de disputas e intrigas. E como eu sei que meu coração já é dessa belezura? Tempos depois de terminar a leitura minha mente não parava de voltar para Alina e seu mundo e percebi que eu estava com saudades de tudo aquilo e querendo mais. É assim que um livro deve fazer você se sentir, não acham?


2 comentários:

  1. Oie, tudo bom?
    Olha, eu não gostei desse livro pela protagonista. Penso assim: história legal, mundo legal, protagonista chata. Preciso terminar, mas estou torcendo pro lado do mal, sou diferentão kkk

    Beijos

    http://shadabooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Já ouvi falar muito bem dos livros, e a cada resenha a vontade de ler só aumenta! Aliás, adorei a sua resenha: muito espirituosa hahahaha

    Beijos! | ape56.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário...